Conheça nossa equipe

Coordenação

Viviane Juguero - Idealizadora e coordenadora pedagógica

Brasil

Viviane Juguero é mestra e doutora em Artes Cênicas (UFRGS), com estágio doutoral na UW-Madison, nos Estados Unidos (PDSE/CAPES). Atualmente, é autora estudada no curso DRAMATURGIA NEGRA (Itaú Cultural). Como dramaturga e investigadora, criou textos e músicas para peças de teatro, filmes e livros, além de artigos, encenados ou publicados no Brasil e no exterior. Dentre as produções em desenvolvimento, em 2020, estão o telefilme EL JARDÍN DE LA CALLE OCHO (Brasil-Uruguai / ANCINE); o filme DE VOLTA AO JARDIM DA RUA OITO (FAC / ANCINE), além das peças teatrais BAMBU BAMBÁ (dazvinzenz theatre,  Alemanha); CANTO DE CRAVO E ROSA (FAC); dentre outros trabalhos. Juguero integra o Centro Brasileiro, a Associação Internacional e a Rede de Pesquisadores de Teatro para a Infância e Juventude (CBTIJ / ASSITEJ / ITYARN).

http://lattes.cnpq.br/6214644753327576 

https://orcid.org/0000-0002-1048-4913

http://www.bandodebrincantes.com.br/?pg=11231

Daniela Israel - Coordenadora técnica e de produção

Brasil

Daniela Israel é Mestra e Doutoranda em Processos e Manifestações Culturais. Graduada em Realização Audiovisual, é pesquisadora CAPES-CNPq e estuda as relações entre a indústria audiovisual e o imaginário. Foi palestrante no TEDx UFRGS (2016) e recebeu o prêmio Laureate Recognition Program - LATAM (2017). No audiovisual, é diretora do documentário "Moda Orgânica" (75"), e dos longa-metragens em animação "O jardim da rua 8" (52") e  "De volta ao jardim da rua 8" (80"). É sócia da Bactéria Filmes e uma das criadoras da série de animação adulta "Família Parafina" (26x26").

www.bacteriafilmes.com

www.instagram.com/bacteriafilmes/

http://lattes.cnpq.br/8566564948266081

Cleiton Echeveste - Coordenador de tradução solidária e membro do conselho consultivo

Brasil

Graduado em Artes Cênicas (UFRGS), desde 1987 dedica-se ao teatro, como ator, dramaturgo, diretor e produtor. Em 2002, radicou-se no Rio de Janeiro, onde criou a Pandorga Cia. de Teatro, cujo repertório é dedicado à infância e juventude. Ganhador de prêmios nacionais de dramaturgia: no 40º Festival Nacional de Teatro de Ponta Grossa/PR, por “Cabeça de Vento”, e no 10º Prêmio Zilka Sallaberry de Teatro Infantil, por “Juvenal, Pita e o Velocípede”, ambos publicados pela Giostri Ed. (SP). Em 2019, “Cabeza de Viento” foi publicado em espanhol, pelo Editorial Norma, em Lima, Peru, onde realiza projetos artísticos na Casa da Literatura Peruana e no Centro Cultural Brasil-Peru. Desde 2007 integra a Associação Internacional e o Centro Brasileiro de Teatro para a Infância e Juventude (CBTIJ/ASSITEJ), do qual é presidente do Conselho de Administração.

linkedin.com/in/cleiton-echeveste-51a1b465

https://pandorgaciadeteatro.wordpress.com/

https://cbtij.org.br/

Conselho Consultivo

Julio Moracen Naranjo

Cuba-Brasil 

 

Julio Moracen Naranjo possui graduação em Licenciatura em Artes Cênicas pelo Instituto Superior de Arte (1996), doutorado em PROLAM-USP, Universidade de São Paulo (2004) e pós-doutorado na Université de Perpignan Via Domitia (2014-2015), fez especialização em Antropologia na Universidade da Havana e Etnologia e Etnoantropologia na Universitá Degli Studi Sapienza, Roma. Atualmente é professor de Patrimônio Cultural Imaterial na Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP - Campus Guarulhos (SP) e investigador associado do Centro de Teatro y Danza de la Habana. Tem experiência na área de Antropologia e Teatro, com ênfase em Patrimonio Cultural Imaterial, atuando principalmente nos seguintes temas: teatro negro, História do teatro em Afro-américa e Caribe, performance negra, antropologia do teatro e patrimônio cultural imaterial.

http://lattes.cnpq.br/3542892942316705

Kathy A. Perkins

EUA

Kathy A. Perkins é iluminadora e pesquisadora de Teatro Africano e da Diáspora Africana. Ela é editora das antologias "Black Female Playwrights: An Anthology of Plays before 1950 [Dramaturgas negras: uma antologia de peças de teatro antes de 1950]"; "Mulheres negras sul-africanas: uma antologia de peças [Black South African Women: An Anthology of Plays]"; "African Women Playwrights [Dramaturgas africanas]"; e "Alice Childress: Selected Plays;” co-editor "Contemporary Plays by Women of Color [Alice Childress: peças selecionadas]"; co-editora de "Contemporary Plays by Women of Color [Peças Contemporâneas de Mulheres de Cor]" e "Strange Fruit: Plays on Lynching by American Women [Fruta Estranha: Peças de Mulheres Americanas sobre Linchamento]". Ela foi editora sênior do livro "The Routledge Companion to African American Theatre and Performance [The Routledge Companion para o Teatro e a Performance Afro-Americanos]". Recebeu vários prêmios como iluminadora e pesquisadora. Seu trabalho a levou a mais de 40 países. Kathy é professora Emérita da Universidade de Illinois e da Universidade da Carolina do Norte.

https://theatre.illinois.edu/portfolio/kathy-a-perkins/

Dione Carlos

Brasil

Dione Carlos é dramaturga formada pela SP Escola de Teatro. Cursou Jornalismo na Universidade Metodista de São Paulo. Atua como dramaturga em parceria com cias de teatro. É orientadora artística do Núcleo de Dramaturgia da Escola Livre de Santo André e dramaturga convidada do projeto espetáculo da Fábrica de Cultura da Brasilândia. Possui quinze textos encenados. Foi convidada pela Embaixada do Brasil na Grécia para representar o Brasil no Dia Internacional da Língua Portuguesa, tendo palestrado no Museu da Ácropole em Atenas, em maio de 2019. Lançou seu primeiro livro em 2017: Dramaturgias do Front, com três peças. Em 2019, integrou a publicação Dramaturgia Negra, com o texto Ialodês, escrito para a Cia Capulanas de Arte Negra.

https://www.linkedin.com/in/dione-carlos-67850a114/

 

Eugênio Lima

Brasil

 

Dj, Ator-Mc, Pesquisador da cultura diaspórica, Membro Fundador do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, e da Frente 3 de Fevereiro, além de Diretor do Coletivo Legítima Defesa. Ganhador do prêmio Coca Cola/FEMSA 2004 de melhor música; e do prêmio Shell de teatro de melhor Música 2006; e do prêmio Governador do Estado 2014. Como curador, tem ampla atuação em diversas áreas, com destaque para: “Legítima Defesa - Poéticas-Políticas à Procura de um Pouso - Elaboração poética, portanto política, da imagem da “negritude” (São Paulo, 2017); Ciclo de Debates Internacional “Discursos Sobre o não dito” (MITsp-Mostra Internacional de São Paulo, 2017; 2016);  Eixo Reflexivo da Ocupação Abdias Nascimento-Cartografia e Conferências Performáticas (São Paulo, 2016);“Festival Cidade Sonora” (FUNARTE /SP, 2012). 

Barbara Kastner
Alemanha

Barbara Kastner é dramaturgista, administradora e produtora de teatro. É Mestra em Ciência de Teatro, TV e Cinema, pela Freie Universität de Berlim e em Ciência da Comunicação, pela Technische Universität, também em Berlim, na Alemanha. No Brasil, estudou um semestre de Artes Cênicas e História Brasileira, na UNICAMP, além de ter trabalhado com o Centro de Teatro do Oprimido,  no Rio de Janeiro, em 2001. Trabalhou em diversos teatros na Alemanha e no exterior. Integrou o Departamento de Artes Cênicas da Universidade de Hildesheim e da Universidade Humboldt, em Berlim. É dramaturgista e administradora do Dasvinzenz Theatre, em Munique.

http://www.xx-tanztheater.eu/11.html 

http://www.bibiana-jimenez.de/10.html

https://theaterblauemaus.de/

Jessé Oliveira

Brasil

 

Jessé Oliveira é fundador e diretor do Grupo Caixa-Preta, grupo pioneiro no desenvolvimento do teatro negro contemporâneo gaúcho. Realizou a direção de mais de 40 espetáculos de teatro, dança e música, apresentados em todo o Brasil e América Latina. Dirigiu o espetáculo “Das Pferd des Heiligen” na Alemanha. Recebeu, em 2007, o Prêmio Florêncio de Melhor Espetáculo, pela Associação de Críticos do Uruguai, com o trabalho “Hamlet Sincrético”. Atualmente, cursa mestrado no Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da UFRGS e é diretor do Instituto Estadual de Artes Cênicas da Secretaria da Cultura do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. 

http://lattes.cnpq.br/1922163960659630

Richard Serraria

Brasil

Richard Serraria é autor do conceito de tamboralitura. É um poeta e cancionista brasileiro. Pesquisador da cultura negra do cone sul da América Meridional, trabalha com o tambor Sopapo há 25 anos. Doutor em Literatura Brasileira pela UFRGS, atua com as bandas Bataclã FC e Alabê Oni, além de espetáculos solos fundamentados em intervocalidades, performances corporais e griotismo. Possui oito discos lançados e dois DVDs. Atuou em Cuba, Espanha, Argentina, Uruguai e cento e vinte cidades de todos estados do Brasil por meio do Projeto Sonora Brasil do Sesc, em 2013/14.

http://lattes.cnpq.br/5919496443508168

 

Elisa Lucas

Brasil

Elisa Lucas é atriz, pesquisadora, dramaturga, oficineira teatral e diretora. Doutora e Mestra em Ciências do Espetáculo (Universidade de Sevilha). Bacharel em Artes Cênicas (UFRGS). A partir da pesquisa O processo de criação dramatúrgica atorial, desenvolveu e encenou os textos Confesso que Capitu (2004), Histórias de uma Mala Só (2009 - Prêmio Tibicuera Melhor Atriz), Encantos de Natal (2012) e A Dama dos Evangelhos (2014, desenvolvido com ajuda de Iberescena). Fundadora do Grupo Capitu, diretora de Artes Cênicas e pesquisadora no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde desenvolve a pesquisa Práticas corporais e vocais para potencializar a presença cênica a partir do Processo de criação dramatúrgica atorial. Integra o Coletivo As Dramaturga (RS) e o grupo Dramaturgias Contemporâneas: Percursos entre Adaptação, Gênero, História e Imaginário, da FURG.

http://lattes.cnpq.br/1061512991864939

https://orcid.org/0000-0003-2569-4873

www.linkedin.com/in/elisalucasteatro

https://elisalucasteatroblog.wordpress.com/

Rui Pina Coelho

Portugal

Rui Pina Coelho (Évora, 1975) é Professor Auxiliar na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Doutorado em Estudos Artísticos – especialidade em Estudos de Teatro pela FLUL, é Director do Centro de Estudos de Teatro da FLUL e da Sinais de Cena – Revista de estudos de teatro e artes performativas. Publicou Este título não que é muito longo: textos para teatro (2011-2018) (Companhia das Ilhas, 2020); António Pedro (Colecção Biografias do Teatro Português, CET/ TNDMII/ IN-CM, 2017); A hora do crime: A violência na dramaturgia britânica do pós-Segunda Guerra Mundial (1951-1967) (Peter Lang, 2016); Casa da Comédia (1946-1975): Um palco para uma ideia de teatro (INCM, 2009); Inesgotável Koltès: Dois ensaios sobre Na solidão dos campos de algodão de Bernard-Marie Koltès (ESTC, 2009); Às vezes quase me acontecem coisas boas quando me ponho a falar sozinho (Companhia das Ilhas, 2013) e Já passaram quantos anos perguntou ele e outros textos (Húmus/TEP, 2013), entre outros títulos. Coordena o volume Teatro Contemporâneo Português: Experimentalismo, Política e Utopia [título provisório] (TNDMII/Bicho do Mato, 2017). Coordena o Laboratório de Escrita para Teatro, do Teatro Nacional D. Maria II, de 2015 a 2019.  Desde 2010, colabora regularmente com o TEP – Teatro Experimental do Porto, enquanto dramaturgo e dramaturgista.


https://www.uc.pt/org/centrodramaturgia/3/abc/ruipinacoelho

Micheli Afonso 

Espanha - Brasil 

Micheli Afonso é fotógrafa e conservadora-restauradora. Doutoranda em Memória Social e Patrimônio Cultural/UFPel/BRASIL e en Arte y patrimonio/US/ESP. Participou do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (CAPES), na Universidade de Sevilla/Espanha; Professora substituta do curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais da Universidade Federal de Pelotas/RS, entre 2015 e 2017. Mestre em Memória Social e Patrimônio Cultural. Bacharel em Conservação e Restauração de Bens Culturais/UFPel. Licenciada em Artes Visuais pela Universidade Federal de Pelotas - UFPel. Concluiu seu estágio curricular do curso de Conservação e Restauro no Museu Nacional de Soares dos Reis - Porto/Portugal. Estudou dois semestres na Universidade Católica Portuguesa - Porto, no Curso de Licenciatura em Conservação e Restauro. Consultora Ibermuseus.

http://lattes.cnpq.br/5206519790395106

Paulo Merisio 

Brasil

Doutor em Teatro pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/ UNIRIO (2005); professor associado do Curso de Teatro e dos Programas de Pós-Graduação em Artes Cênicas e em Ensino de Artes Cênicas da UNIRIO. Formado ator pela Escola de Teatro Martins Penna (1993). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - PQ 2. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa em Processos de Criação no Teatro para a Infância e Juventude (CNPq). Realizou pesquisa de pós-doutorado na Université de Paris Ouest/ Nanterre, com Bolsa Capes (2014). Dirige, desde 2002, o grupo uberlandense Trupe de Truões, que já obteve vários prêmios em festivais nacionais e participou em 2013 do Circuito SESC/ Palco Giratório. Membro do Conselho Administrativo do Centro Brasileiro de Teatro para a Infância e Juventude – CBTIJ, desde 2010 e do Comitê Executivo da International Theatre for Young Audiences Research Network – ITYARN, desde 2018.

http://lattes.cnpq.br/5340031923358121

Licko Turle

Brasil

Licko Turle é ator, diretor, professor e pesquisador de Teatro. Foi professor visitante no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGAC) da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia - UFBA (2017-2018-2019). Atuou como professor residente,no PPGAC da Escola de Teatro da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011-2016). Criou, em 1986, com Augusto Boal, o Centro de Teatro do Oprimido do Rio de Janeiro; e, com Amir Haddad, em 1999, o Instituto “Tá Na Rua” para as Artes, Educação e Cidadania. Foi coordenador do Fórum Negro de Artes Cênicas da UFBA (2018-2019) e co-dirigiu o espetáculo “Pele Negra, Máscaras Brancas” da Companhia de Teatro da UFBA. É membro da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em Artes Cênicas, da Rede Brasileira de Teatro de Rua e do Grupo de Estudos em Teatro do Oprimido.

http://lattes.cnpq.br/6181670089929835

Arte como ciência é um projeto sem fins lucrativos. Curta, compartilhe e aproveite. 
© 2020 por Viviane Juguero e Daniela Israel.